Atenção pesquisadores: Chamada de capítulos para coletânea que comemora os 100 anos do rádio!

Abaixo a mensagem dos organizadores:
Prezados (as) colegas:
Estamos organizando com Valci Zuculoto, Marcelo Kischinhevsky e Debora Cristina Lopez o livro ( e-book) “100 anos de rádio no Brasil- História em (re)construção”, pelo Grupo Temático (GT) História da Mídia Sonora, Associação Brasileira de Pesquisadores da História da Mídia/ Rede Alfredo de Carvalho (ALCAR). O livro soma-se a outras produções da história deste GT que levam o selo da ALCAR e refletem a trajetória de pesquisa deste Grupo. A proposta é alusiva aos cem anos de história do rádio no Brasil, considerando os diferentes registros e estudos que evidenciam desde a importância do padre-inventor Landell de Moura, as primeiras experiências da Rádio Clube de Pernambuco e a demonstração ocorrida em 1922 durante a Exposição do Centenário da Independência, que culminou com as transmissões regulares da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, em 1923, até as diferentes configurações que temos hoje da mídia sonora. Para tanto, estamos lançando a chamada para esta publicação e queremos convidá-los (as) a contribuir com capítulos de livro resultantes de pesquisas de campo, documentais e/ou bibliográficas/hemerográficas que tratem acerca da historiografia do rádio no Brasil, da linguagem radiofônica,do mercado, da programação e legislação entre outros aspectos que possam radiografar estes 100 anos de transformações e inovações do rádio. Segue em anexo a chamada para a proposta (resumo expandido) de artigo e o template para formulação do resumo. As propostas podem ser submetidas e enviadas até o dia 15 de março para o e-mail: ebookradio100@gmail.com. As propostas aceitas serão divulgadas até 29 de março e o envio dos trabalhos completos marcado para 31 de maio.

A chamada completa e o template podem ser acessados aqui e aqui.

Chamada de artigos para a revista Estudos em Jornalismo e Mídia (EJM) – Dossiê “100 anos de metamorfose– Rádio e inovação”

Caras e caros colegas.
Encaminhamos a chamada para o dossiê “100 anos de metamorfose – Rádio e inovação” na revista “Estudos em Jornalismo e Mídia” (EJM), da UFSC, qualis B1.  A data de abertura das submissões será definida e anunciada em breve, mas já estamos divulgando para que desde agora, os(as) interessados(as) em participar possam começar a preparar seus artigos. Aguardamos suas contribuições e estamos à disposição para mais informações e quaisquer esclarecimentos que necessitarem.
Saudações sonoras,
 Valci Zuculoto (UFSC), Marcelo Kischinhevsky (UFRJ) e Debora Cristina Lopez (UFOP) - editores convidados pela EJM
————————————————————

Chamada de artigos para a revista Estudos em Jornalismo e Mídia (EJM)

Dossiê “100 anos de metamorfose– Rádio e inovação”

 

Pioneiro meio eletrônico de comunicação, o rádio se comporta como uma metamorfose desde os seus primórdios, que remontam às primeiras experiências da Rádio Clube de Pernambuco, a partir de 1919. Pensado inicialmente como radiotelegrafia sem fios, voltado para a radiocomunicação ponto a ponto, afirma-se nos anos 1920 como radiodifusão, comunicação ponto-massa. Além de atuar como espaço central de representação midiática, funda a própria ideia de tempo real, graças à transmissão de eventos e aos relatos jornalísticos construídos minuto a minuto. Na chamada “fase do espetáculo”, entre os anos 1930 e 1950, foi o eixo da vida cultural e social brasileira. Perdeu centralidade com o avanço da TV e, mais recentemente, da internet, mas ganhou as ruas com o transístor e se tornou quase ubíquo com a incorporação às mais diversas plataformas digitais, seguindo relevante no ecossistema midiático.

Centenário, o rádio hoje é um meio expandido, transbordando das ondas hertzianas para diversos suportes e dispositivos, articulando-se com empresas de tecnologias da informação e fabricantes de equipamentos eletrônicos. Está nos velhos receptores a pilha e nos sistemas de som analógico, presentes em quase 70% dos lares brasileiros, bem como nos painéis de automóveis, no computador, nos telefones móveis, tablets, tocadores multimídia, smart speakers, mídias sociais, ao vivo e sob demanda, em múltiplas temporalidades, linguagens e estéticas. O Brasil é o segundo país com mais emissoras em atividade no mundo: são mais de 9 mil, atrás apenas dos EUA, com cerca de 20 mil. Ainda assim, o rádio enfrenta uma série de obstáculos num mercado cada vez mais competitivo. Entre eles, a falta de dados confiáveis (o peso do setor no Produto Interno Bruto foi calculado uma única vez, pela Fundação Getúlio Vargas, em 2008) e de informações qualitativas sobre suas audiências.

Nesse contexto, a revista Estudos em Jornalismo e Mídia lança chamada de contribuições para o dossiê “100 anos de metamorfose – Rádio e inovação”. Entre os tópicos de interesse, encorajamos contribuições que ajudem a lançar luz sobre os seguintes temas:

  • Reconfiguração das esferas da produção, da veiculação e da escuta na indústria da radiodifusão sonora;
  • Podcasting, web rádios, rádio digital, rádio via satélite, serviços de rádio social, mensageiros instantâneos – novos espaços de circulação de conteúdos radiofônicos;
  • Rádio no contexto do big data;
  • Participação da audiência e diversidade de vozes no radiojornalismo e no rádio musical;
  • Programação, segmentação, curadoria – rearticulações entre radiofonia e indústria fonográfica;
  • Gestão e regulação da radiofonia;
  • Historiografia do rádio no Brasil;
  • Teorias e estudos radiofônicos em busca de especificidades;
  • Metodologias de pesquisa radiofônica;
  • Criação sonora, rádio-arte, experimentações estéticas;
  • Ativismo radiofônico – rádios livres, comunitárias, alternativas e outros modelos sem fins lucrativos;
  • Cem anos de transformações e inovação – que rádio se desenha para o futuro?

 

Editoras: Daiane Bertasso e Terezinha Silva (UFSC)

Editores convidados: Valci Zuculoto (UFSC), Marcelo Kischinhevsky (UFRJ) e Debora Cristina Lopez (UFOP)

 

Datas importantes:

Envio de artigos: até 30 de julho de 2019 (obs: a abertura do prazo de submissão será anunciada em breve)

Respostas dos editores aos autores: até 30 de agosto de 2019

Publicação da edição: primeiro semestre de 2020

 

Informações adicionais:

Formatação e encaminhamento dos textos: https://periodicos.ufsc.br/index.php/jornalismo/about/submissions#authorGuidelines

 

Submissões pelo sistema eletrônico: https://periodicos.ufsc.br/index.php/jornalismo/about/submissions#onlineSubmissions

 

 

 

 

 

 

 

Chamada de capítulos para livro sobre rádios universitárias

A radiodifusão universitária vem experimentando forte expansão no Brasil ao longo dos últimos 20 anos, consolidando-se como relevante segmento do campo público das indústrias da comunicação e da cultura. Mais de uma centena de emissoras AM/FM e web rádios vinculadas a instituições de ensino superior estão em operação no país, oferecendo às suas audiências uma alternativa em termos de informação e educação em âmbito local e regional e assegurando espaços de representação para manifestações artísticas e culturais muitas vezes às margens da grande mídia privada.

Cumprem também um importante papel formativo, propiciando atividades práticas para estudantes de cursos de graduação de Comunicação (Jornalismo, Rádio e TV, Publicidade e Propaganda, Mídias Digitais), bem como de outras áreas de conhecimento, numa perspectiva de divulgação científica e tecnológica e de maior interlocução entre universidade e sociedade. Ainda assim, é escassa a produção acadêmica sobre rádios universitárias no país. Raros são os eventos científicos que tratam do tema, entre os quais destacam-se o I Fórum de Rádios e TVs Universitárias, realizado durante o 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, promovido pela Intercom em Curitiba, em 2017, e o II Fórum, realizado em Joinville, em 2018, ocasião em se constituiu a Rede de Rádios Universitárias do Brasil (RUBRA).

Nesse contexto, convidamos pesquisadores(as) de rádio e mídia sonora a contribuírem com capítulos para obra coletiva que busca sistematizar reflexões derivadas das experiências de ensino-aprendizagem desenvolvidas no âmbito de emissoras vinculadas a instituições de ensino superior públicas, privadas ou confessionais. Tópicos de interesse incluem (mas não estão restritos a) os seguintes temas:

O papel social e cultural das rádios universitárias;

A programação das rádios universitárias – Instrumentos de participação das comunidades interna e externa;

Desafios à gestão de emissoras universitárias;

Regulação da radiodifusão universitária;

Experiências de ensino-aprendizagem em rádio e mídia sonora – O caráter formativo das emissoras universitárias;

História de rádios universitárias;

Inovação em radiodifusão universitária – Experimentação de novos formatos e linguagens

A coletânea, editada pela Comissão Científica da RUBRA, será publicada em formato e-book pela Editora CCTA-UFPB e em papel em editora a ser confirmada. O prazo para entrega dos textos completos é 31 de janeiro de 2019. O envio deve ser feito por email, tendo no assunto “Livro da RUBRA” e o sobrenome do/a(s) autor/a(es), para os seguintes endereços: olgatavares@hotmail.com e nanealbuquerque@hotmail.com.

FORMATAÇÃO:

Os textos devem ter até 35 mil caracteres, incluindo títulos, tabelas, figuras, mapas e referências. Não incluir resumo e palavras-chave. Informações de autoria devem vir abaixo do título, acompanhadas de currículo resumido, com extensão máxima de três linhas por autor/a. O arquivo deve estar em Word e a formatação do texto deve seguir estes pontos: Fonte Times New Roman, corpo 12, espaçamento 1,5; Margens superior/inferior – direita/esquerda = 2,5 cm; Parágrafo com recuo na primeira linha 1,25; notas de rodapé: fonte Times New Roman, em corpo 10, espaçamento 1,0. O negrito deve ser usado, exclusivamente, para destacar subtítulos ou divisões do trabalho, sempre no mesmo corpo 12, em caixa alta e baixa.

A elaboração do texto deve seguir as seguintes indicações: título; nome do/a autor/a; instituição à qual está vinculado/a, texto incluindo considerações finais e referências, se for o caso. Referências bibliográficas devem ter os dados completos e seguir as normas da ABNT 6023 para trabalhos científicos. Ilustrações podem ser inseridas no corpo do texto. Citações diretas com até três linhas devem estar entre aspas duplas, no corpo do texto. Acima de três linhas, devem ser destacadas no texto com recuo de 4cm, espaçamento simples, fonte corpo 10 (dez), seguindo o modelo de citação “(AUTOR, data)”.

Os/as autores/as devem encaminhar autorização de veiculação assinada, conforme modelo da organização.

Olga Tavares (UFPB) e Eliana Albuquerque (UESC)