Linha “Problemas de Fenomenologia e Hermenêutica”


Acylene Maria Cabral Ferreira

Clique aqui para acessar o Currículo Lattes E-mail acylene@ufba.br 
www.gephermeneutica.ppgf.ufba.br

Campo de Atuação: Linguagem, Fenomenologia, Hermenêutica, Heidegger.
Projeto Individual de Pesquisa no Programa de Filosofia: Intencionalidade, existência e significação
Resumo do Projeto: Pretendemos pesquisar em que medida os conceitos de intencionalidade e de intuição categorial podem ser considerados como aporte teórico para a constituição dos conceitos de Dasein como existência transcendental e de mundanidade como significância do mundo. Nosso objetivo é mostrar como a esfera antepredicativa da intencionalidade transfigura-se na região antepredicativa da abertura de ser, ou seja, como da esfera antepredicativa do categorial em Husserl podemos fazer a experiência do ser em Heidegger. Nessa perspectiva, pretendemos correlacionar a intencionalidade à existência, enquanto constituída pela compreensão de ser, e à significação, enquanto sentido de ser do mundo, com o intuito de evidenciar que a verdade predicativa se funda na verdade antepredicativa.

 

Amostra da produção:

Arte no pensamento de Heidegger.pdf
O destino como serenidade.pdf
A Composição e a Quadratura como Criação.pdf 


Carlota María Ibertis

Clique aqui para acessar o Currículo Lattes E-mail carlota.ibertis@gmail.com

Campo de Atuação: Fundamentos da psicologia e da psicanálise; Concepções da subjetividade
Projeto Individual de Pesquisa no Programa de Filosofia:Saber de si e narrativas possíveis: desdobramentos da concepção freudiana de memória
Resumo do Projeto: O projeto visa o exame da concepção de memória na teoria freudiana e suas conseqüências para o saber que o sujeito tem de si. Tal concepção caracteriza-se pela tensão entre a afirmação da tendência a conservar inalterados os traços mnêmicos, por uma parte, e a afirmação de sucessivas retranscrições e associações desses traços, por outra. Essas retranscrições e associações mnêmicas estabelecem um processo auto-interpretativo, expressado de forma narrativa, que permanece suscetível de revisão a qualquer momento. Assim sendo, a descrição e a valorização do passado determinar-se-iam no presente e não no passado. Examinar-se-ão desdobramentos epistemológicos, ontológicos e éticos disso, atentando especialmente para as noções de trama narrativa e verdade histórico-vivencial.


Monclar Eduardo Góes de Lima Valverde

Clique aqui para acessar o Currículo Lattes E-mail monclar@ufba.br

Campo de Atuação: fenomenologia (estudos sobre a analítica existencial, envolvendo os temas da sensibilidade e da experiência); hermenêutica (estudos sobre compreensão e interpretação) e estética da comunicação (estudos sobre a recepção em suas dimensões lingüística, pragmática, plástica e mediática).
Projeto Individual de Pesquisa no Programa de Filosofia: A Teoria Estética como Hermenêutica da Sensibilidade.
Resumo do Projeto: Algumas formulações atuais acerca da cultura “pós-moderna”, especialmente as discussões sobre a “cibercultura”, insistem na idéia de que assistimos à emergência de uma “nova sensibilidade”. Esse discurso, contudo, reproduz, em grande medida, alguns dogmas do empirismo clássico, entre os quais a noção de uma sensibilidade “natural”, concebida como mera receptividade sensorial. Encarando a sensibilidade como abertura ontológica ao horizonte de sentido que chamamos “mundo”, procuraremos analisar, a partir de pressupostos hermenêutico-fenomenológicos os aspectos perceptivos, lingüísticos e pragmáticos igualmente envolvidos na dinâmica de configuração da experiência. A partir disso, procuraremos mostrar que o que se observa no mundo contemporâneo não é a superação do corpo-próprio, mas a atualização de sua potência de incorporação de um ambiente continuamente expandido pelas extensões tecnológicas.


Nancy Mangabeira Unger

Clique aqui para acessar o Currículo Lattes E-mail nmunger@ufba.br

Campo de Atuação: Heidegger; Hannah Arendt; Fundamentos Filosóficos do Pensamento Ecológico; Crise e Contemporaneidade.
Projeto Individual de Pesquisa no Programa de Filosofia:“Heidegger e o Desenraizamento do Homem Contemporâneo”.
Resumo do Projeto: Tendo por fonte primária a obra de Martin Heidegger, em cujo pensamento a dinâmica característica da modernidade é própria da ‘Técnica’ – conceito que, em sua obra, não se limita aos objetos tecnológicos, mas expressa o enquadramento de uma racionalidade que reduz o real à funcionalidade -, trata-se nesta pesquisa de analisar como uma dada situação empírica, o desenraizamento do homem contemporâneo (manifesto no plano de sua vivência como ser social) remete a uma condição mais essencial, cuja determinação exige uma reflexão de natureza filosófica. Desse modo, uma tensão evidente entre a descrição de fatos empíricos e a reflexão conceitual pode resolver-se mediante um recuo aos fundamentos. Em um segundo momento, a pesquisa desta temática conduzirá a um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. Esta pesquisa, no ano letivo de 2000, é objeto de um Pós-Doutorado na UFRJ, sob orientação do Prof. Dr. Emmanuel Carneiro Leão.


Rosa Gabriella de Castro Gonçalves

Clique aqui para acessar o Currículo Lattes E-mail rosagabriella@uol.com.br

Campo de Atuação: Filosofia da Arte; Estética.
Projeto Individual de Pesquisa no Programa de Filosofia: A noção de forma: da crítica do juízo à crítica de arte moderna.
Resumo do Projeto: O objetivo central da pesquisa é investigar a noção de forma na Crítica do Juízo. Tal noção, central para que se compreenda a própria possibilidade da experiência estética segundo Kant, não é efetivamente definida em nenhum momento desta obra, sendo, no lugar disso, ampliada ao longo de todo o texto, o que torna difícil apreendê-la. A relevância de uma pesquisa acerca da noção de forma possibilitará, num segundo momento, compreender quais motivos teriam levado as teorias da arte posteriores a Kant a considerarem sua estética como uma estética formalista num sentido estrito. Este segundo momento deve partir, sobretudo, do pensamento de Clement Greenberg, autor para o qual a idéia de crítica, sobretudo tal como é apresentada por Kant na Crítica da Razão Pura, seria o paradigma do modernismo, na medida em que este se caracteriza por um processo de delimitação de seus próprios meios, o que o levou a defender a idéia de que a arte é moderna quando é pura, o que acontece quando cada modalidade artística se restringe apenas aquilo que lhe é inerente, sem se deixar contaminar por elementos provenientes de outras modalidades artísticas.


Silvia Faustino de Assis Saes

Clique aqui para acessar o Currículo Lattes E-mail silviassisaes@gmail.com

Campo de atuação: Estética
Projeto individual de pesquisa: Os fundamentos filosóficos do primeiro romantismo alemão e a filosofia da linguagem poética em Friedrich Schlegel 
Resumo do projeto: Concentrando-se nos escritos de Friedrich Schlegel, que lançam as bases e as diretrizes do movimento chamado ‘primeiro romantismo alemão’, o projeto busca, em seu âmbito geral, investigar os fundamentos filosóficos que norteiam o projeto romântico – aspecto no qual a estética de Kant tem um papel central –; em seu âmbito específico, propõe-se investigar os princípios constitutivos de uma moderna filosofia da linguagem poética. O objetivo consiste em encontrar linhas de continuidade e de ruptura entre os ensinamentos da estética de Kant e os conceitos centrais da estética romântica (tais como: ironia, imaginação criadora, reflexão, chiste, gênio). No caminho de sua consecução, este projeto tende a tornar-se parte de um outro, mais amplo, que consiste em comparar o lugar da estética no pensamento filosófico de Kant e de Aristóteles, já que na obra de ambos encontram-se assentadas as bases filosóficas de dois paradigmas cruciais da história da estética: o paradigma aristotélico da mímesis (que chega às mãos de Kant, desfigurado, como princípio de mera ‘imitação’) e o paradigma kantiano da ‘expressão’ do gênio na obra de arte e da subjetividade na experiência e juízo estéticos. Na liga entre esses projetos, está a convicção de que os primeiros escritos de Friedrich Schlegel representam um dos momentos de inflexão mais frutíferos e instigantes do conflito teórico entre esses paradigmas.

 

 

Os comentários estão encerrados.