Artigo em A Tarde: Professor: celebrar com luta e memória

No próximo domingo celebraremos o dia professor. Profissão sofrida, desvalorizada e de enorme responsabilidade. Mas profissão que reúne, apesar de tudo, gente animada.

Antes de iniciar este artigo, revejo outros escritos meus de outubros passados. Desde o início de minha carreira tento dizer alguma coisa sobre o nosso ofício, no mês que o celebra. Na terça passada, Anderson Rios e Walesca Apolônio, aqui em A Tarde, apontaram com precisão as principais questões que também já foram objeto de meus textos e lutas: as condições de trabalho e salário, as dificuldades na formação inicial e continuada, a violência nas escolas e outras mais. Parece que tudo já foi dito. E o pior é que temos a sensação de que nada, ou quase nada, mudou ao longo dos anos.

A celebração do dia do professor precisa se dar com o objetivo de fortalecer a luta em defesa da formação ampla das juventudes, centrada em princípios democráticos que respeitem e valorizem as diferenças, e que avancem na construção de uma sociedade não intolerante e justa. Nosso lugar é privilegiado, pois estamos em contato diário com os jovens que, de fato, serão os responsáveis pela construção do futuro. Temos, assim, a obrigação de a eles tudo apresentar de forma muito direta, clara e, mais ainda, provocativa.

O Brasil de hoje deveria ser tema quase único no cotidiano das escolas/universidades. Vivemos tempos de exceção, com absurdos sendo cometidos diuturnamente em todas as esferas (executivo, legislativo, judiciário e iniciativa privada). Habitamos um país no qual meia dúzia de bilionários concentram a mesma riqueza da metade mais pobre da população. Ou seja, numa matemática de arrepiar, seis é igual a 100 milhões.

Essa absurda desigualdade, somada ao fato de termos um governo absolutamente impopular que destrói nossas mais recentes conquistas, vai nos deixando perplexos e quase sem ação.

As escolas não emocionam os jovens, porque excessivamente centrada em conteúdos e mais conteúdos, sem conseguir dar conta dos desafios subjetivos de suas existências.

Como professor desde 1974, nunca dissociei a qualificação acadêmica da luta política. Não posso, pois, deixar de insistir que valorizar o professor é questão de princípio. Assim, celebrar o dia do professor é também resgatar nossa história.

Nosso projeto Memória da Educação, produziu programetes que, ao longo do mês, estão sendo veiculados pela Educadora e TVE, numa importante parceria de uma universidade pública com a rádio e TV pública da Bahia. Procuramos, assim, fortalecer uma narrativa de valorização da figura do professor, enquanto ser humano com suas subjetividades e desejos.

As falas, entre outras, de Vanda Machado, Amabília Almeida, Makota Valdina e Iracy Picanço, mulheres, professoras e poderosas ativistas, fortalecem o nosso grito em defesa da educação pública e da democracia em nosso país.

Publicado em A Tarde, 13.10.2017

Marcados com: ,
Publicado em Artigos, Artigos em A Tarde

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


+ 5 = oito

MEUS ESCRITOS DIÁRIOS, PERO NO MUCHO!

43 anos de UFBA como professores

Na data de hoje, dia 19 de abril, no ano de 1978, iniciava meu trabalho como professor do Instituto de...

Artigo em A Tarde: Ciência Aberta e vacinas

Ciência aberta e vacinas Nelson Pretto, professor da Faculdade de Educação da UFBA. nelson@pretto.pro.br Se não bastasse a pandemia da...

Quem mandou matar Marielle?

sem palavras, a pergunta também é feira pelo grande cartunista mineiro-baiano Cau Gomez em A Tarde de hoje, 09/10/2020.

Uma pequena homenagem a Ciro Marcondes Filho

Com muita tristeza acordei hoje com a informação do falecimento do professor Ciro Marcondes Filho. Entrei no doutorado na ECA/USP...

O Movimento da Fábrica Vive – Matéria no Correio*

Movimento da Fábrica: em busca de um Rio Vermelho pulsante. Nelson Pretto (professor da Faculdade de Educação da UFBA) com...

Não ao retorno as aulas agora – Artigos e comentários

Vejo movimentos de governadores e prefeitos no sentido e autorizarem o retorno das aulas presenciais nesse momento. Temos nos manifestado...

Por uma politica de TI para a educação

Aqui o documento que produzimos eu e Karina Menezes (UFBA|FACED) junto com Leonardo Nascimento (UFBA|ICTI), Vinicius Ramos (UFSC|CIT) e Tel...

Derrumbando Muros é o tema da próxima Polêmicas Contemporânea em casa.

Na próxima segunda, dia 06/07/2020 vamos debater em Polêmicas Contemporâneas em casa o tema dos movimentos de derrubadas de monumentos...

Polêmicas Contemporâneas em casa: Dois de Julho dendicasa

29/06/2020 - Dois de Julho dendicasa Convidados Hendrik Kraay, professor de história na University of Calgary, Canadá. É autor de...

Liberem suas redes sem fio

Escrevi no jornal Correio da Bahia. Falei na Rádio Metrópole. Divulguei tudo por aqui mas mesmo assim, acho que precisamos...

Liberem seus wifi! artigo no Correio de hoje

Educação e solidariedade (tecnológica): liberem seu wifi. Nelson Pretto – professor da Faculdade de Educação da UFBA. nelson@pretto.pro.br – www.pretto.info....

Artigo na Fórum: Avança universidade pública!

Avança universidade pública! Nelson Pretto, professor titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Membro titular da Academia...

Artigo Ocupa Odorico, em A Tarde de 27/01/2020

Ocupa Odorico Nelson Pretto, professor da Faculdade de Educação da UFBA - nelson@pretto.pro.br Recentemente, o governo estadual anunciou a desativação...

A Bahia na Internet, matéria em A Tarde/Muito de 08/12/2019

Saiu hoje em A Tarde, Revista Muito, uma bela matéria de Tatiana Mendonça, sobre nosso projeto Memória da Internet na...

Artigo no Correio* em defesa da universidade e GEC 25 anos

Artigo de Nelson Pretto no Correio* dia 06/12/2019     25 anos de um grupo de pesquisa e a defesa...