A geração alt+tab vai pras ruas

artigo de Nelson Pretto (professor da Faculdade de Educação da UFBA. Secretário regional da SBPC.Bahia. www.pretto.info e nelson@pretto.info) publicado na Revista Muito! do jornal A Tarde em 14.07.2013. Republicado no Jornal da Ciência em 25.7.13.

Mais de 2 milhões de brasileiros manifestaram-se nas ruas no último mês junho. O que queriam? Fale-se, com certa ironia, de não objetividade nas revindicações, no excesso de bandeiras e na falta de lideranças.

Nem sempre é necessário ter clareza ou unificar bandeiras de luta. A falta de “objetividade” foi sempre motivo de estranhamento de muitos acadêmicos, da mídia e, por consequência ou não, da população em geral.

Lembro que foi assim também com o Fórum Social Mundial (FSM) desde 2001, quando protestava contra tudo e todos. Havia uma sensação generalizada – que aliás, é a mesma de hoje – de que tudo estava para ser resolvido e uma forma de desqualificar aquelas iniciativas era dizer que faltava foco e objetividade nas propostas. Lembro, em 2001, quando Eduardo Galeano iniciava uma de suas falas com a frase encontrada em um muro na Bolívia: “quando achamos as respostas, mudaram a pergunta”.

É o que de novo ocorre no país e no mundo. Os métodos, as práticas, a política, a economia, tudo está a merecer um outro olhar. Não temos ainda as respostas, pois a pergunta mudou!

As bandeiras eram muitas: “gosto de mulher, e daí?”, “abaixo a fifa”, “não é pelos 0,20”, “passe livre, “mais educação”… Cobrar objetividade é matar o movimento. Objetividade é algo que foi construído ao longo da história da humanidade e não é um conceito absoluto desde sempre. A multiplicidade de bandeiras corresponde à rica diversividade da população e da política brasileira e governar é justo tratar destas diferenças.

Essa geração, de qualquer idade, com uma dezena de telas abertas ao mesmo tempo, usando as teclas alt+tab para navegar simultaneamente em todas elas, está, agora e literalmente, navegando pelas ruas das cidades com a mesma intimidade com que navegam pelas telas.

“Saímos do Facebook”, dizia um cartaz. Estamos na rua, complemento. Na rua com os facebooks, orkuts, twitters, instagrams e tudo mais.

Não sejamos simplistas. O momento atual é complexo, como também o é a vida.

E complexo não é sinônimo de complicado. A complexidade exige um olhar, ou melhor, múltiplos olhares, com rigorosa atenção.

Educação, claro, está entre as bandeiras. Mas que educação?!

Certamente precisamos de mais recursos para a educação, mas não apenas para fazer mais do mesmo. É urgente que superemos definitivamente as atuais concepções de educação que formam para a linearidade e não para a complexidade.

E isso não é pouco.

Publicado na revista Muito! do jornal A Tarde. Veja o pdf da página com os artigos aqui: artigo  meu e de andre lemos

e xx

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


+ 7 = nove

Arquivos