O mundo está cada vez mais aberto!

A Unicamp lançou, semana passada, um portal com vídeos, animações e mais de mil imagens de acesso gratuito. Tudo licenciado em Creative Commons (CC), o que possibilita que o usuário pode usar livremente esses produtos, inclusive remixando-os, ou seja, misturando tudo para produzir mais imagens, animações e vídeos. Objetivo é divulgar a produção da universidade para um público mais amplo, como já vem acontecendo com diversas outras, a exemplo das americanas Harvard e MIT, Politécnica de Madri, Universidade Virtual Africana e tantas outras.

Estamos vivendo um momento ímpar na sociedade com a tomada de consciência de que não é mais possível mantermos a lógica da ampla produção de conhecimento – e estamos produzindo muito hoje! – com uma circulação tão restrita, em função da propriedade privada dos meios de distribuição.
Mais dramático ainda é que, em muitos dos casos, essa produção se dá com exclusivo uso de recursos públicos, sem que o material esteja amplamente à disposição da sociedade. No caso das universidades públicas, a coisa é mais gritante pois nós, os pesquisadores dessas instituições, ganhamos os salários e, na maioria da vezes, bolsas e apoio financeiro para a realização das pesquisas que demandariam a publicação ampla dos seus resultados. No entanto, nossas publicações são aprisionados pelas editoras/produtoras comerciais que obrigam o pagamento para acesso e impedem ampla circulação do conhecimento.

O crescimento do uso de licenças tipo Creative Commons é importante pois com ela o jogo fica aberto: identifica-se claramente quem é o autor do material e diz-se explicitamente o que pode ser feito com ele por quem o assim desejar. O Brasil foi o terceiro país do mundo a utilizar de forma intensa a licença Creative Commons, atrás apenas da Finlândia e do Japão.

A Prefeitura de São Paulo, desde o ano passado, colocou todo o seu site com esse tipo de licença, assim como também a Secretaria de Educação aqui do estado da Bahia. Dessa forma, tudo que estiver nos sites é liberando para uso, seja as produções contratadas, sejam as produções realizadas nas escolas por professores e alunos. No caso da Bahia, ainda está disponível o recém-criado Ambiente Educacional Web, também ele igualmente licenciado em CC, já dispondo de muito material para professores, alunos e o público em geral.

Na Ufba, além do repositório institucional da instituição, a Edufba adotou uma correta política de publicar de maneira aberta toda a sua produção desde 2011. Assim, se o leitor deseja ter o livro – cada dia mais belos e em cuidadosas edições! – ele o comprará, pois passará a ter um bem material físico, que é o livro em si. Já o seu conteúdo é disponibilizado gratuitamente na internet para todos. A Faculdade de Educação tem o projeto RIPE, apoiado inicialmente pela Fapesb, que é uma plataforma de vídeos, toda em software livre, disponibilizando a nossa produção de forma plena, permitindo e estimulando que as pessoas possam se apropriar do material e, remixando-o, construir mais vídeos, naquilo que tenho chamado de um círculo virtuoso de produção de culturas e conhecimentos. Ali é possível encontrar, por exemplo, os depoimentos de grandes educadores baianos, construindo a memoria da educação na Bahia.

Dessa forma, acreditamos que um outro mundo esteja sendo construído, numa perspectiva aberta de circulação de conhecimentos e de culturas, contribuindo de forma efetiva para a construção de uma sociedade cidadã.

Publicado no jornal Correio* em 08/05/2013, pagina 2. [link para o jornal].

Marcados com: , ,
Publicado em Artigos Correio*, REA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


7 + = doze

MEUS ESCRITOS DIÁRIOS, PERO NO MUCHO!

43 anos de UFBA como professores

Na data de hoje, dia 19 de abril, no ano de 1978, iniciava meu trabalho como professor do Instituto de...

Artigo em A Tarde: Ciência Aberta e vacinas

Ciência aberta e vacinas Nelson Pretto, professor da Faculdade de Educação da UFBA. nelson@pretto.pro.br Se não bastasse a pandemia da...

Quem mandou matar Marielle?

sem palavras, a pergunta também é feira pelo grande cartunista mineiro-baiano Cau Gomez em A Tarde de hoje, 09/10/2020.

Uma pequena homenagem a Ciro Marcondes Filho

Com muita tristeza acordei hoje com a informação do falecimento do professor Ciro Marcondes Filho. Entrei no doutorado na ECA/USP...

O Movimento da Fábrica Vive – Matéria no Correio*

Movimento da Fábrica: em busca de um Rio Vermelho pulsante. Nelson Pretto (professor da Faculdade de Educação da UFBA) com...

Não ao retorno as aulas agora – Artigos e comentários

Vejo movimentos de governadores e prefeitos no sentido e autorizarem o retorno das aulas presenciais nesse momento. Temos nos manifestado...

Por uma politica de TI para a educação

Aqui o documento que produzimos eu e Karina Menezes (UFBA|FACED) junto com Leonardo Nascimento (UFBA|ICTI), Vinicius Ramos (UFSC|CIT) e Tel...

Derrumbando Muros é o tema da próxima Polêmicas Contemporânea em casa.

Na próxima segunda, dia 06/07/2020 vamos debater em Polêmicas Contemporâneas em casa o tema dos movimentos de derrubadas de monumentos...

Polêmicas Contemporâneas em casa: Dois de Julho dendicasa

29/06/2020 - Dois de Julho dendicasa Convidados Hendrik Kraay, professor de história na University of Calgary, Canadá. É autor de...

Liberem suas redes sem fio

Escrevi no jornal Correio da Bahia. Falei na Rádio Metrópole. Divulguei tudo por aqui mas mesmo assim, acho que precisamos...

Liberem seus wifi! artigo no Correio de hoje

Educação e solidariedade (tecnológica): liberem seu wifi. Nelson Pretto – professor da Faculdade de Educação da UFBA. nelson@pretto.pro.br – www.pretto.info....

Artigo na Fórum: Avança universidade pública!

Avança universidade pública! Nelson Pretto, professor titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Membro titular da Academia...

Artigo Ocupa Odorico, em A Tarde de 27/01/2020

Ocupa Odorico Nelson Pretto, professor da Faculdade de Educação da UFBA - nelson@pretto.pro.br Recentemente, o governo estadual anunciou a desativação...

A Bahia na Internet, matéria em A Tarde/Muito de 08/12/2019

Saiu hoje em A Tarde, Revista Muito, uma bela matéria de Tatiana Mendonça, sobre nosso projeto Memória da Internet na...

Artigo no Correio* em defesa da universidade e GEC 25 anos

Artigo de Nelson Pretto no Correio* dia 06/12/2019     25 anos de um grupo de pesquisa e a defesa...