Irecê é (software) livre?

Ao longo dos últimos anos, a Faculdade de Educação da UFBA tem desenvolvido um trabalho em parceria com o Município de Irecê, o qual avança por três gestões do executivo municipal. Pesquisas em todo o mundo apontam como elemento fundamental ao desenvolvimento de projetos duradouros e consistentes, a sua continuidade ao longo do tempo, independentemente das mudanças políticas locais. Entretanto, na prática, com a chegada dos novos dirigentes eleitos, alterações quase que radicais são introduzidas em políticas bem sucedidas que estavam em andamento no país, no estado ou no município.

Tomemos o caso de Irecê. Como resultado dessas ações integradas da UFBA e Município, foi implantado um projeto de formação dos professores da rede municipal, já com 140 professores licenciados, articulado com uma política de inclusão digital que inclui os Tabuleiros Digitais, no início apoiados pela Petrobrás (infelizmente, posteriormente cortado!) e um Ponto de Cultura, apoiado pelo MinC, entre outras ações. Esses projetos são os responsáveis pela implantação de uma verdadeira incubadora de idéias no campo da cultura digital, com uma Rádio Web em software livre, constituindo o Ciberparque Anísio Teixeira, homenagem ao grande educador baiano que, com certeza, adoraria ver a meninada usando de forma plena as tecnologias digitais, como o fazem em Irecê.

No início desse projeto, 50 jovens receberam uma bolsa de estudo (Ministérios do Trabalho e Cultura), para atuarem no Ponto de Cultura com software livre. O resultado foi que desses 50, 49 foram imediatamente empregados logo depois dos cinco meses de bolsa. Um grupo dali egresso criou um pequena empresa de suporte a software livre no município, a qual, provavelmente, foi a primeira empresa do gênero no interior do Estado. Esse grupo articulou-se com a Câmara dos Vereadores e implantou uma rádio web, com software livre, o que possibilitava a todos os cidadãos acompanharem as sessões da Câmara Municipal de qualquer lugar onde houvesse internet.
Além das transmissões ao vivo, ficavam disponíveis o áudio das sessões anteriores, de forma que a comunidade pudesse acompanhar a atuação dos vereadores e o que se discutia naquele egrégio palácio a qualquer momento. São pequenas ações como essas que fazem uma enorme diferença quando se pensa em democracia.
Porém, lamentavelmente, essa breve e rica experiência, que articulava transparência, criatividade, emprego para a juventude e, muito importante, software livre, ao invés de ter sido exemplo a ser adotado por outras casas legislativas país a fora, foi ceifada.
A nova administração da Câmara Municipal de Irecê simplesmente tirou da rede a sua rádio web.
Triste Bahia!

Artigo publicado no jornal A Tarde, da Bahia, em 28.06.2009, pag. 03.

Marcados com: , , , ,
Publicado em Sem Categoria
48 comentários sobre “Irecê é (software) livre?
  1. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  2. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  3. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  4. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  5. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  6. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  7. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  8. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  9. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  10. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  11. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  12. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  13. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  14. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  15. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  16. Anônimo disse:

    mel49m@gmail.com
    profesor nelson pretto
    Cutucando aqui encontrei muita coisa boa sua pra ler,uma delas foi”A linguagem dos jovens na contemporaneidade: aplausos ou censura? “e vc me fez reflatir quando diz que [...]ouvia um pai ou mãe dizendo “meu filho fica horas na Internet”,[...] eu também ficava. Até que, por força do meu trabalho, comecei a navegar pela dita suja.
    E descobri, muito feliz da vida, que nunca uma geração de jovens brasileiros leu e escreveu tanto na vida. Se ele fica seis horas por dia ali, ou ele está lendo ou escrevendo. E mais: conhecendo pessoas. E amando essas pessoas.
    Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto. E amou tanto.
    Pois bem meu dilema é o seguinte, trabalho num bairro super pobre(Antiga malvinas) e a escola agora tem um infocentro num cubículo de sala/beco, mas tem. A idade dos alunos são de 12 a 09 anos e todos querem abrir o orkut, quando fui agendar com o inspetor ele me disse que não pq é perigoso, corre o risco de serem vitimas de pedofolia,o que vc me sugere? E o melhor já recebi alguns convite para meu orkuut que eles estaõ abrindo em lanhause.

  17. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  18. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  19. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  20. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  21. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  22. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  23. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  24. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  25. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  26. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  27. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  28. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  29. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  30. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  31. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  32. Nelson Pretto disse:

    esse é o ponto
    meu caro colega (não sie seu nome),
    vc mesmo respondeu a sua dúvida pois se os meninos estão indo à Lan House, eles já estão correndo “esse tal risco” (SIC!) e o pior, sem o apoio nosso, dos pais, adultos e professores… Esse deveria ser o papel da escola. Pena que coisas como a que vc descreve aconteçam.
    abraços e bom trabalho
    nelson pretto

  33. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  34. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  35. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  36. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  37. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  38. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  39. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  40. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  41. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  42. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  43. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  44. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  45. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  46. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  47. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

  48. Anônimo disse:

    Ieda Rocha
    “Irecê é livre/” é a pergunta que me faço constantemente professor! Este artigo só veio reforçar os “diálogos comigo mesma”, mas por outro lado, me sinto encorajda de tb tranformar minhas conversas pessoais em textos acessiveis a todos interessados!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


3 + oito =

MEUS ESCRITOS DIÁRIOS, PERO NO MUCHO!

43 anos de UFBA como professores

Na data de hoje, dia 19 de abril, no ano de 1978, iniciava meu trabalho como professor do Instituto de...

Artigo em A Tarde: Ciência Aberta e vacinas

Ciência aberta e vacinas Nelson Pretto, professor da Faculdade de Educação da UFBA. nelson@pretto.pro.br Se não bastasse a pandemia da...

Quem mandou matar Marielle?

sem palavras, a pergunta também é feira pelo grande cartunista mineiro-baiano Cau Gomez em A Tarde de hoje, 09/10/2020.

Uma pequena homenagem a Ciro Marcondes Filho

Com muita tristeza acordei hoje com a informação do falecimento do professor Ciro Marcondes Filho. Entrei no doutorado na ECA/USP...

O Movimento da Fábrica Vive – Matéria no Correio*

Movimento da Fábrica: em busca de um Rio Vermelho pulsante. Nelson Pretto (professor da Faculdade de Educação da UFBA) com...

Não ao retorno as aulas agora – Artigos e comentários

Vejo movimentos de governadores e prefeitos no sentido e autorizarem o retorno das aulas presenciais nesse momento. Temos nos manifestado...

Por uma politica de TI para a educação

Aqui o documento que produzimos eu e Karina Menezes (UFBA|FACED) junto com Leonardo Nascimento (UFBA|ICTI), Vinicius Ramos (UFSC|CIT) e Tel...

Derrumbando Muros é o tema da próxima Polêmicas Contemporânea em casa.

Na próxima segunda, dia 06/07/2020 vamos debater em Polêmicas Contemporâneas em casa o tema dos movimentos de derrubadas de monumentos...

Polêmicas Contemporâneas em casa: Dois de Julho dendicasa

29/06/2020 - Dois de Julho dendicasa Convidados Hendrik Kraay, professor de história na University of Calgary, Canadá. É autor de...

Liberem suas redes sem fio

Escrevi no jornal Correio da Bahia. Falei na Rádio Metrópole. Divulguei tudo por aqui mas mesmo assim, acho que precisamos...

Liberem seus wifi! artigo no Correio de hoje

Educação e solidariedade (tecnológica): liberem seu wifi. Nelson Pretto – professor da Faculdade de Educação da UFBA. nelson@pretto.pro.br – www.pretto.info....

Artigo na Fórum: Avança universidade pública!

Avança universidade pública! Nelson Pretto, professor titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Membro titular da Academia...

Artigo Ocupa Odorico, em A Tarde de 27/01/2020

Ocupa Odorico Nelson Pretto, professor da Faculdade de Educação da UFBA - nelson@pretto.pro.br Recentemente, o governo estadual anunciou a desativação...

A Bahia na Internet, matéria em A Tarde/Muito de 08/12/2019

Saiu hoje em A Tarde, Revista Muito, uma bela matéria de Tatiana Mendonça, sobre nosso projeto Memória da Internet na...

Artigo no Correio* em defesa da universidade e GEC 25 anos

Artigo de Nelson Pretto no Correio* dia 06/12/2019     25 anos de um grupo de pesquisa e a defesa...