Por que?

….


18 e 19 de outubro de 2010

salvador, bahia, brasil

MENU



semana nacional de ciência e tecnologia

Por que um Evento Sobre Ética Hacker e sua relação com a Ciência e Tecnologia?

Importante diferenciar o que chamamos de hackers e o seu contrário, os crackers. Para o filósofo finlandês Pekka Himanen (2001), hackers são indivíduos que se dedicam com entusiasmo à programação e, neste aspecto, acreditam no compartilhamento de informações, bem como nos processos que facilitam o acesso a elas. São, portanto, muito diferentes daqueles sujeitos que destroem sistemas informacionais, produzindo vírus ou atacando sistemas para roubarem informações.

Facilitar o acesso das pessoas ao conhecimento tem sido a grande contribuição dos hackers, sendo o software livre (SL) o exemplo maior deste movimento. O movimento do Software Livre situa-se no plano político, indo muito além das dimensões técnicas, e tem a liberdade como característica fundamental. Nesta concepção, a cooperação leva à criação, e o mais importante, desconfigura a ideia de um poder centralizador da informação.

Estamos diante de outra cultura, idealizada por paixão e socialmente necessária à sociedade, passando pelo entretenimento, pelo mundo do trabalho, da cultura, da pesquisa científica, entre tantos outros campos, tendo em vista que o prazer em construir foi o grande combustível para os hackers.

A Ética Hacker vem demonstrando, através de iniciativas bem sucedidas – e são exemplos o GNU/Linux e a Wikipédia, entre outros – que a motivação para criação de software está na ampliação das redes sociais. Assim, vemos a cultura hacker como um novo campo de luta pela socialização dos bens culturais, artísticos, educacionais, científicos e tecnológicos. A força destes princípios democratizadores, que movem a ética hacker, podem e devem estar presentes em qualquer campo da atividade humana. Ser hacker não é privilégio daqueles que labutam com programação de computadores, mas sim uma possibilidade em qualquer área do conhecimento. São apenas alguns exemplos os movimentos da economia solidária, os movimentos de música livre e remixagens, a pesquisa em rede, entre outros.

A Faculdade de Educação da UFBA, através do Grupo de Pesquisa em Educação, Comunicação e Tecnologias (GEC), desde a década de 90, vem criando espaços e possibilidades de construção de competências na área da Educação e Tecnologias, atuando de forma indissociável no ensino, na pesquisa e na extensão universitária. O foco do nosso trabalho tem sido, sempre, a busca de fortalecer a produção de culturas e conhecimentos e não o simples consumo de informações.

Mais recentemente, o GEC vem debatendo acerca da importância da divulgação da ética hacker no contexto sócio-educacional, visando o compartilhamento do conhecimento e da solidariedade praticada pela inteligência coletiva. Este evento, parte da semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2010, é uma ação que, acreditamos, fortalecerá e socializará o debate para além dos espaços acadêmicos e por isso envolve pesquisadores, professores, ativistas e comunicadores para pensar o conhecimento e a cultura de forma ampla e colaborativa.


Promoção

.

Licença Creative Commons

A obra Evento Ética Hacker e o desenvolvimento da Ciência e Tecnologia de Gec-Faced-UFBA foi licenciada com uma Licença Creative Commons – Atribuição – Uso Não-Comercial – Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada. Com base na obra disponível em www.eticahacker.faced.ufba.br.

Os comentários estão encerrados.